​Galo da Madrugada celebra 40 anos de folia
​Galo da Madrugada celebra 40 anos de folia

O ano era 1978. A união de um grupo de amigos e famílias fundou o que mais tarde seria reconhecido como o maior bloco de Carnaval do mundo. Desde então, as ruas do bairro de São José, centro do Recife-PE, nunca mais foram as mesmas. Comandado por Enéas Freire, o Galo da Madrugada resgatava o tradicional Carnaval de rua, capitaneado pelo ritmo que ferve as multidões.

Com o tema “Galo 40 anos, Promovendo o Folclore e a Cultura de Pernambuco”, o bloco sairá às ruas em 10 de fevereiro de 2018. “Esse ano estamos comemorando 40 anos de uma festa que resgatou o ritmo pernambucano. O Galo da Madrugada promoveu uma verdadeira revitalização para o carnaval de rua, mantendo-se fiel aos seus objetivos, fortalecendo o folclore e a cultura e, principalmente, crescendo sem perder a originalidade. Nossa bandeira é sempre defender o frevo, o folclore e a cultura pernambucanos. ”, explica o presidente do Galo da Madrugada, Rômulo Meneses.

O objetivo inicial do Galo da Madrugada foi resgatar o verdadeiro carnaval de rua do centro do Recife, mais especificamente do bairro de São José, que estava em total decadência. “Na década de 70, o carnaval participativo entrou em vertiginosa decadência. Já não se via mais os tradicionais clubes, troças e blocos tocarem seus frevos nas ruas, acompanhados por admiradores e foliões. Nossas agremiações passaram a desfilar apenas em passarelas, em busca unicamente de premiações”, relata o presidente da agremiação.

O frevo foi cedendo espaço para outros ritmos não pernambucanos. Foi nesse cenário, que o Galo da Madrugada nasceu e consegui resgatar, através do “Carnaval Participação”, a adesão de milhares de pessoas, para o carnaval de rua, para o frevo e trazendo de volta as tradicionais fantasias do carnaval do Recife. Esse espírito carnavalesco está no DNA dos pernambucanos. “Foi só tirar as barreiras naturais que os foliões logo voltaram, aos milhares, a ocuparem as ruas dos bairros do centro do Recife, em busca do autêntico carnaval pernambucano, mostrando toda sua alegria, sua ginga dos passos do frevo e as maravilhosas e divertidas fantasias”, lembra Meneses.

Para o desfile, muitas surpresas são esperadas. O folião poderá reviver os carnavais passados, além de relembrar grandes compositores que fomentaram a cultura e contribuíram para que o frevo fosse perpetuado. O Galo fará, ainda, uma homenagem especial ao repórter Francisco José, que também celebrará, em 2018, 40 anos de cobertura dos desfiles do Galo da Madrugada. Para comemorar os 40 anos, o clube irá promover, ainda, algumas outras ações que serão realizadas ao longo do de 2018. “O que podemos adiantar, é que será lançado um CD comemorativo onde convidamos alguns compositores e artistas que fazem parte da história da agremiação para compor e/ou gravar músicas para celebrar os 40 anos do bloco, estamos programando outras atividades como:  lançamento de dois livros, lançamento de uma exposição itinerante e a produção de um filme documentário”, conclui Rômulo.

HISTÓRIA - O primeiro desfile do Clube de Máscaras O Galo da Madrugada contou com a participação de 75 foliões fantasiados de “almas”. A brincadeira era feita com muito confete e serpentina ao som de uma orquestra composta por 22 músicos. O detalhe é que as pessoas usavam fantasias com máscaras (capuz), vestidas de “almas”. Daí o nome de “Clube das Máscaras”. Essas fantasias desfilam até hoje.

Não demorou muito para o Galo despertar a atenção de foliões. No ano seguinte, a quantidade de participantes já era cinco vezes maior. Também em 1979, o bloco ganhou o estandarte e o hino oficial, criados, respectivamente, pelo fundador Mauro Freire e pelo compositor José Mário Chaves. A cada ano que passava mais pessoas se juntavam a essa ideia de vivenciar um carnaval livre e democrático. As ruas estreitas e os becos do bairro de São José ficavam cada vez menores à medida que o resgate da tradição popular se consolidava. Passados 40 anos, o bloco continua emocionando e lembrando aos dois milhões de foliões e ao mundo inteiro que o carnaval começa no Galo da Madrugada. Nesse período, o Galo realizou, durante 15 anos (1980 / 1994), no Clube Português do Recife o BAILE DOS ESTANDARTES, que atraia milhares de pessoas. Também, realizou durante 10 anos (1981/1990) o desfile de Fantasias de Papel na Avenida Boa Viagem.

Ao longo desses 40 anos o Galo da Madrugada ampliou e evoluiu nas áreas em que a agremiação atua, visando uma maior integração e contribuição para a sociedade pernambucana, procurando contribuir para o desenvolvimento Social, Cultural e Econômico do Estado de Pernambuco.

Passou a atuar permanentemente, durante todo o ano, e não apenas durante o carnaval – Programa Galo da Madrugada - Alegria o Ano Inteiro. São realizados na Sede do Galo e nas proximidades da Praça Sérgio Loreto, diversos eventos culturais: Quintas no Galo, Recife Samba de PE, em parceria com a cantora pernambucana Gerlane Lops, Sexta Livre - lançada recentemente, a fim de proporcionar mais um espaço para nossos artistas, sem exclusividade de um ritmo, podendo ser qualquer um, desde que se enquadre a cultura pernambucana -, Festejos Juninos (Forrozão do Galo) e Festejos Natalinos (Cantata de Natal).

Incentivou as atividades culturais do Galo da Madrugada para outras cidades de Pernambuco, outros estados do Brasil e outros países. E também trouxe artistas de outras cidades e estados para participarem (não apenas assistirem) das atividades do Galo da Madrugada, aderindo às nossas manifestações – Programa Galo em todo Canto. Dessa forma, os artistas visitantes também levam de volta a seus estados e ajudam a divulgar mais ainda a cultura pernambucana. Com o passar dos anos, a agremiação serviu de inspiração para o Carnaval de outros Estados do Brasil e até de alguns países, contribuindo para levar o frevo e o espírito pernambucano a lugar, a exemplo do “Galo de Manaus” (AM), “Galo da Meia-Noite” (RO), “Capote da Tarde “ (PI), “Galinho de Genipabu” (RN), “Muriçocas do Miramar” (PB), “Pinto da Madrugada” (AL), “Galinho de Brasília” (DF), “Mago da Madrugada” (RJ), “Maluko Beleza” (SP), “Galo Goiano” (GO) e “Galo do Porto” (RS). No exterior temos, o “Galo na Neve, que nasceu na cidade de Trois-Rivières, em Quebec, no Canadá e os – ainda embrionários – “Ho Chi Min”, no Vietnã e “Osaka”, no Japão.

Desenvolveu atividades multiculturais para promover ritmos, cantores, músicos, danças, pintores, artistas plásticos, gastronomia, etc.; O Galo da Madrugada atua nos ciclos Carnavalesco, Junino e Natalino -  pastoris, reisados, bumba-meu-boi, etc. Promover eventos culturais durante todo o ano, não apenas da cultura carnavalesca. Também faz parte dessas ações, shows com samba, brega e outros ritmos nacionais, sempre abrindo novos espaços para os artistas locais aqui e em outros estados.  Programa Galo Multicultural.

Programa Galo Cultura com Cidadania: O Galo também promoveu várias palestras sobre saúde e educação para os membros das comunidades apoiadas. Além dessas atividades, o Galo tem também atividades de Preservação Ambiental –, que começou com a adoção da Praça Sérgio Loreto e com trabalhos que serão realizados durante os desfiles e outros eventos promovidos pelo Galo da Madrugada. Desenvolveu entendimentos com comunidades dos bairros próximos à Sede do Galo (São José, Coque, Ilha Joana Bezerra, Cabanga, Coelhos, entre outras), a fim oferecer oficinas de músicas, danças, cenografias, confecção de fantasias e adereços carnavalescos. Essas oficinas foram implantadas desde 2010. Apoio a centro cultural existentes nas comunidades acima. Essas comunidades têm, ainda, oportunidades de geração de rendas extras para seus sustentos, através de participação no desfile do Galo, participação no Forrozão do Galo, apresentações na sede do Galo e venda de produtos resultantes de seus trabalhos.