Inadimplência do cartão atinge menor nível da série histórica

Segundo levantamento da Abecs, associação das empresas de cartões, com base em dados divulgados pelo Banco Central, é cada vez menor a dívida dos consumidores no cartão de crédito. Após a mudança na regra que limitou em até 30 dias o prazo de permanência no crédito rotativo, em vigor desde abril de 2017, o índice de inadimplência do cartão caiu para 6,2% em dezembro, menor patamar de toda a série histórica do Banco Central, iniciada em março de 2011.

A queda da inadimplência era um dos objetivos propostos pelo setor de cartões e pelo Banco Central com a mudança na regra do rotativo. Antes disso, o índice girava em torno de 7,7% (dez/16). A redução ocorreu porque as pessoas passaram a usar menos o rotativo e estão pagando as compras à vista: segundo dados do Banco Central, nos últimos 12 meses houve uma queda de 20,2% no saldo financeiro do rotativo, enquanto o valor das compras à vista e parceladas sem juros cresceu 12% no mesmo período.

Outro aspecto positivo da nova regra é a redução da taxa de juros do rotativo do cartão, que, após a mudança, caiu para menos da metade, saindo de 466,4% a.a. (15,5% a.m.) em março para 201,8% a.a. (9,6% a.m.) em dezembro. Ao todo, nos últimos nove meses, a taxa anual já acumula uma redução de quase 60%. Além disso, as pessoas que costumavam entrar no rotativo também estão trocando essa linha de crédito pela modalidade de parcelamento, que possui taxa média de juros ainda menor, de 8,6% ao mês.

“Esses movimentos mostram que os objetivos propostos pela mudança foram atingidos e o consumidor tem aproveitado a nova regra para buscar uma alternativa de crédito mais barata e com pagamento em parcelas fixas, o que garante maior controle do orçamento”, afirma Fernando Chacon, presidente da Abecs.